Perguntas Frequentes


simet
O CGI.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil) representa a governança da Internet no Brasil. Seu modelo de governança é baseado nos princípios de multilateralidade, transparência e democracia. Ele é composto por membros do governo, do setor empresarial, do terceiro setor e da comunidade acadêmica. Para mais informações acesse www.cgi.br . O CGI possui um braço executivo, o NIC.br, que foi criado para executar as decisões tomadas pelo comitê. Para mais informações acesse www.nic.br .
Simet ou Sistema de Medição de Tráfego Internet é um conjunto de sistemas que testa a qualidade da sua Internet.
Segundo a revista Info Exame da editora Abril, o Simet é a opção mais confiável e eficiente para medição remota de desempenho de banda larga. Mas por que?

Hoje em dia existem diversos tipos de medidores de Banda Larga, então porque utilizar o Simet?

Existem medidores, que medem o "nível de congestionamento" de uma rede levando em conta o trânsito que vai da casa do usuário até a próxima rua, o que não seria uma boa avaliação pois esse tipo de medição pode medir o "congestionamento da rede em sua rua", mas não no bairro ou cidade.

Em termos de Internet, este tipo de medição, mede a qualidade da chamada "última milha", o que é apenas uma pequena parte do que deveria ser medido. A Anatel, na Resolução n°574 que aprova o Regulamento de Gestão de Qualidade do Serviço de Comunicação Multimídia (RGQ-SCM), define que a medição deve ocorrer do terminal do Assinante ao PTT (Ponto de Troca de Tráfego), o que seria equivalente a medir o trânsito partindo da casa do usuário e atravessando a cidade até uma das saídas para as rodovias que conduzem a outras cidades. Se houver alguma via da rede congestionada neste trajeto, esse congestionamento será detectado. Certamente é uma medição mais adequada do que a primeira citada.

Por curiosidade, o "software" disponibilizado a partir de 2014 pelos provedores não faz a medição desta forma, ignorando a Resolução da Anatel.

Outro ponto importante a considerar é o tipo de tráfego que medido. Consideremos os dois tipos principais de tráfego na Internet: O que exige entrega fidedigna de dados (TCP) e o que propõe que, mesmo perdendo algo, a entrega do que for possível com o melhor esforço (UDP). Um exemplo do primeiro tipo de tráfego é quando um usuário faz o download um programa, aplicativo ou arquivo, que precisa chegar até ele de forma não corrompida, mesmo que isso imponha algum atraso na recepção, ou seja, prefere-se receber com algum atraso o arquivo perfeito, do que receber um arquivo corrompido em menor tempo (e, portanto, inútil). No segundo tipo de tráfego, tem-se as aplicações em "tempo real" como, por exemplo, "voz sobre IP" usado em telefonia na rede. Para que a conversação seja viável é importante que o atraso na entrega dos dados seja baixo, mesmo que isso acarrete alguma perda de qualidade ou de algum pedaço da informação. O programa que as prestadoras escolheram para medir o tráfego mede apenas o TCP e não mede o tráfego UDP, e com isso não há informação específica sobre a qualidade de tráfego multimídia de fluxo contínuo, como o de "streaming" de vídeo", contrariando assim a Resolução n°574 a qual informa que as prestadoras devem disponibilizar um "software" que meça a velocidade, da capacidade de transmissão da informação multimídia, expressa em bits por segundos.

Já o Simet desenvolvido pelo NIC.br, braço executor do CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil mede. A metodologia adotada pelo Simet e os parâmetros mínimos de qualidade foram acordados há mais de um ano, em longas reuniões com as operadoras de telefonia e provedores de acesso à Internet. Estes parâmetros estão no documento de trabalho em conjunto com Inmetro: Documento de metodologia da Internet. Uma divulgação destes resultados foi realizada em 19 de junho de 2011 pelo Fantástico ( Rede Globo).

Portanto, o Simet é um dos medidores mais recomendados hoje em dia por ser o único que hoje mede todas as exigencias destacadas na Resolução da Anatel.

Para entender melhor o tema sobre as vantagens de uso dos Pontos de Troca de Tráfego (PTTs) nas medições, sugerimos assisir ao vídeo Internet Revelada em http://zappiens.br, onde fica claro o funcionamento desta infraestrutura local, onde as redes dos provedores de acesso, de conteúdo, das universidades, dos bancos, trocam livremente tráfego entre si.

E por último , mas não menos importante, saiba que ao utilizar o Simet você estará colaborando para a construção do mapa da qualidade da banda larga do Brasil (http://simet.nic.br/mapas/) e os dados servirão ainda para que cobremos constantes melhoras no provimento de acesso à Internet
Para que o Simet possa funcionar na sua rede, certifique-se que as portas abaixo estão liberadas:

Porta 80 (TCP / saída)
Porta 123 (UDP / entrada e saída)
Porta 15000 (TCP / entrada e saída)
Porta 16000 (TCP / saída)
Porta 15010 (TCP e UDP / entrada e saída)
Porta 15020 (TCP e UDP / entrada e saída)
Porta 15030 (TCP e UDP / entrada e saída)
Porta 17000 (UDP / entrada e saída)
Porta 42429 (TCP e UDP / entrada e saída)
Porta 52424 (TCP / saída)
Porta 52423 (TCP / saída)
Requisitos mínimos Recomendáveis
Sistema Operacional Windows XP, MacOS Snow Leopard, Linux Windows 7, MacOS Lion, Linux
Navegador Internet Explorer 7, Firefox 2, Chrome, Safari, Ópera Firefox 10, Chrome, Safari
Versão do Java Java SE 1.5 provido pela Oracle Java SE 1.6 provido pela Oracle
Memória RAM 256Mb 1Gb
Processador Intel Pentium 4 ou equivalente Intel Core 2 DUO equivalente ou superior
Resolução da tela 800x600 800x600 ou superior
Os testes são feitos no PTT (Ponto de Troca de Tráfego) mais próximo de você ou em servidores que ficam no NIC.br em São Paulo.

Um PTT, ou Ponto de Troca de Tráfego, é um local onde empresas e provedores se conectam para trocarem "tráfego de Internet" diretamente entre sí. Para maiores informações acesse www.ptt.br .
A Internet é formada por diversas redes de computadores que se interligam. Se um teste for feito em muito longe, como em outro país, não estaremos testando a qualidade da rede da sua operadora ou provedor, e sim a rede de outros provedores que são utizados para chegar ao local do teste.

Como os principais provedores brasileiros estão ligados em algum PTT, os testes feitos em qualquer PTT garantem que os problemas encontrados não são de redes de terceiros.
O Simet está presente em quase todos PTT:

1 Porto Alegre - RS (ATIVO)
2 Curitiba - PR (ATIVO)
3 Florianópolis - SC (ATIVO)
4 Brasilia - DF (ATIVO)
5 Salvador - BA (ATIVO)
6 Belo Horizonte - MG (ATIVO)
7 Londrina - PR (ATIVO)
8 Rio de Janeiro - RJ (ATIVO)
9 Fortaleza - CE (ATIVO)
10 São Paulo - SP (ATIVO)
11 Vitória - ES (ATIVO)
12 Belém do Pará - PA (ATIVO)
13 São José dos Campos - SP (ATIVO)
14 Caxias do Sul - RS (ATIVO)
15 Campina Grande - PB (ATIVO)
16 Recife - PE (ATIVO)
17 Natal - RN (ATIVO)
18 Campinas - SP (ATIVO)
19 Goiânia -GO (ATIVO)
20 Barueri - SP (ATIVO)
21 São José do Rio Preto - SP (ATIVO)
22 Manaus - AM (ATIVO)
23 Cuiabá - MT (ATIVO)
24 Lajeado - RS (EM ATIVAÇÃO)
25 São Carlos (EM ATIVAÇÃO)
26 Maringá - PR (EM ATIVAÇÃO)
Realize um teste sem a utilização de roteadores e certifique-se que não está executando programas que ocupem a rede, CPU e memória. Analise os indicadores de jitter, latência e perda de pacotes pois estes independem do plano contratado. Analise se a velocidade entregue (banda) é a mesma (ou próxima) a contratada. Repita o teste em diferentes horários do dia.
Sim. Ao realizar um teste do Simet fornecendo seu CEP é possível mapear os resultados e as operadoras podem identificar regiões mais problemáticas, antes de problemas mais graves aparecerem.
Você, a sua operadora e o Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Através dos resultados, as operadoras poderão melhorar a qualidade do serviço fornecido. Porém, em regiões sem muitos testes, as vezes é difícil identificar problemas. Por isso, é importante que você faça vários testes informando seu CEP e pedindo para seus amigos fazerem o mesmo.
O Simet busca obter a maior precisão possível. Se for realizado mais de um teste ao mesmo tempo, a partir de uma única conexão (mesmo IP), a precisão dos resultados seria perdida.
Sim. O Simet já está disponível para iPhone, iPod e iPad, e pode ser baixado na App Store. O Simet também está disponível para qualquer aparelho com Android, e pode ser baixado no Google Play. Baixe o aplicativo e faça sua avaliação!
Sim! Já estamos em trabalhando na criação de novos testes. Você pode enviar sugestões para o e-mail medicoes@ceptro.br
Os testes da conexão Wi-Fi são realizados periódicamente e assim que novos resultados são obtidos os mesmos são atualizados na tela. Para o melhor conforto na leitura de seu resultado disponibilizamos a opção de "Pausar" que congela os resultados para ficar mais fácil sua análise e visualização.
Por serem "ao vivo", os jogos on-line são aplicações onde a qualidade da Internet é crítica. Em casos onde a latência é alta, seus comandos demoram para chegar no servidor. Eles utilizam uma mistura de UDP e TCP. Mensagens enviadas no chat sempre chegam, mesmo com atraso, pois são enviadas utilizando TCP, porém o "andar pela fase" geralmente utiliza UDP (por ser "ao vivo"). É por isso que na maioria dos jogos, quando ocorre um problema na Internet, você acaba sendo "teletransportado" para outro lugar pois os dados que levariam o seu personagem a caminhar até lá foram perdidos. Por serem extremamente sensíveis, os jogos precisam de uma Internet com uma latência baixa, de até 80 milisegundos, e uma banda de download e upload razoável. O upload é importante pois é necessário enviar constantemente suas ações no jogo para o servidor.

Interpretação dos resultados
A única maneira de saber é perguntar à sua operadora. Em geral você paga pela quantidade máxima de dados que você conseguirá transferir em um segundo. Os planos domésticos, em geral, se referem a capacidade máxima de download em Megabits por segundo (Mbit/s).
A única maneira é perguntar à sua operadora. Esta velocidade costuma ser 15% da sua velocidade contratada.
Não, seu acesso à Internet em algum momento tem que medir 10Mbps ou próximo disso (pelo menos 80% da velocidade contratada).

Dois aspectos explicam a razão dos contratos serem assim:

Primeiro, um usuário Internet comum normalmente baixa um e-mail e em seguida passa a lê-lo. Note que enquanto o usuário está lendo, a sua banda Internet não está sendo usada e isto acontece com quase todos os usuários, portanto a mesma banda Internet pode ser consumida por vários usuários e com qualidade. Ou seja, quando o provedor diz garantir 10% da banda contratada, significa que você usuário terá no mínimo 1Mbps caso aconteça um fato raro, e todos seus usuarios acessem à Internet ao mesmo tempo. Este uso estatístico de recursos também ocorre em redes de energia elétrica e em redes de distribuição de água, por exemplo.

Segundo, alguns provedores consideram que a velocidade informada é a taxa de transferência de dados obtida pelos medidores de qualidade da rede Internet como o Simet, enquanto outros consideram a taxa de transferência no meio físico ( par telefônico, cabo coaxial, fibra óptica ou ar ) utilizado na prestação do serviço de acesso à Internet. Neste último caso, os bits auxiliares ("overhead") utilizados na transmissão de dados, que pode chegar a 20% da velocidade informada, são contabilizados.
Pode ser um bloqueio no seu roteador. Caso você não esteja usando um roteador, isto pode indicar um problema de configuração da sua máquina ou de algum equipamento da operadora.
O mais provável é que o local ou o caminho até onde os dados estão está com problemas.
Cota de dados (ou franquia de dados ou "bandwidth cap") só deveria ser aplicado em acesso à Internet via celular. Verifique se seu plano de acesso à Internet tem restrição de cota de dados. Esta cota indica a quantidade máxima de dados que você pode transferir em determinado período de tempo (geralmente um mês). Após a utilização total desta cota, na maioria dos casos, a velocidade da sua Internet é reduzida.
Através das Resoluções nº 574, de outubro de 2011, a Anatel definiu métricas para aferição da qualidade de acesso à Internet em Banda Larga Fixa e Móvel no Brasil. Os resultados em 95% das medições mensais devem atender aos seguintes critérios para serem considerados bons:

TCP Dowload UDP Dowload RTT / Latência Jitter Perda de pacotes
40% da máxima contratada 40% da máxima contratada até 80ms até 50ms até 2%

Para verificar o documento na íntegra acesse:
Tipo TCP Download TCP Upload UDP Download UDP Upload RTT / Latência Jitter Perda de pacotes
Velocidade Instantanea Maior que 40% da máxima contratada - Maior que 40% da máxima contratada - - - -
Ligações de Voz (VoIP) - - Maior que 64 kbit/s Maior que 64 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%
Vídeo Conferência - - Maior que 640 kbit/s Maior que 640 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%
Jogos Maior que 768 kbit/s Maior que 77 kbit/s Maior que 768 kbit/s Maior que 77 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%
Tipo TCP Download TCP Upload UDP Download UDP Upload RTT / Latência Jitter Perda de pacotes
Acessar Sites/Redes Maior que 256 kbit/s - - - até 80ms até 50ms até 2%
Ligações de Voz (VoIP) - - Maior que 64 kbit/s Maior que 64 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%
Vídeo Conferência - - Maior que 640 kbit/s Maior que 640 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%
Carregar Vídeos Maior que 1024 kbit/s - - - até 80ms até 50ms até 2%
Resultado Final Maior que 1024 kbit/s - Maior que 640 kbit/s Maior que 640 kbit/s até 80ms até 50ms até 2%

Problemas com o teste?
O seu navegador bloqueou a execução do teste. Feche e abra seu navegador e tente novamente.
Você foi perguntado sobre a permissão para a execução do teste. Por algum motivo, você negou esta autorização. Feche e abra o navegador e tente novamente.
O Simet só permite um teste por IP, por vez. É possível que alguém já esteja acessando o Simet da sua rede. Aguarde 30 segundos e tente novamente.
Ocorreu uma falha na sua rede. Aguarde alguns momentos e tente novamente. Caso a falha se repita, verifique as regras de firewall da sua rede.
O servidor ao qual você tentou conectar não está acessível. Tente novamente com um dos servidores que foram apresentados na lista.

Dúvidas Técnicas
Tudo que trafega na Rede Internet é considerado um pacote. Ao invés de tudo ser enviado em um grande bloco, os computadores dividem esse grande bloco em vários blocos menores, chamados pacotes.
Upload é o ato de enviar dados para a Internet. Você só consegue colocar uma foto em uma rede social após fazer o upload da foto.
Download é o ato de receber dados da Internet. Você só consegue visualizar uma página após fazer o download do conteúdo dessa página.
Sempre que há download, há upload. Os dois estão sempre ligados pois para você receber algo, alguém precisa enviar pelo menos uma mensagem solicitando estes dados.
A latência mede o tempo necessário para uma mensagem ir a um destino e voltar deste. Ela também é conhecido por Ping e por RTT (Round Trip Time). A latência aumenta de acordo com a distância e a qualidade do caminho que precisa ser percorrido. Ela também pode ser influenciada caso a infra-estrutura da operadora esteja congestionada (há "fila" nos equipamentos).
Se você envia uma mensagem por segundo, espera-se que elas cheguem com um intervalo de um segundo entre elas. A diferença entre a hora real de chegada e a hora esperada é o Jitter.
Isto pode ser o indício de um sobrecarregamento da rede, pois o fato dos pacotes não estarem chegando na hora esperada indica que eles estão tomando caminhos diferentes ou caminhos congestionados.
TCP é a forma mais comum de transferir dados na Internet. O TCP garante que o conteúdo enviado chegue ao seu destino. Se algo é perdido, a origem reenvia todos os dados novamente.
Sempre que um programa precisar garantir a integridade do dado, ela usará TCP. Uma mensagem de texto precisa estar inteira, senão não será possível lê-la. O mesmo vale para imagens, e-mails etc.
Sempre que você se comunica usando TCP, você precisa confirmar o recebimento dos pacotes. Caso você não envie esta confirmação, a origem supõe que o pacote foi perdido.
Sim, um custo de upload. Se sua banda de upload já estiver sendo totalmente utilizada, você não conseguirá enviar estas confirmações, reduzindo drasticamente a velocidade do download.
A origem irá supôr que você não está enviando as confirmações por falta de banda. Para resolver este problema, ela reduzirá a quantidade de dados enviados.
O UDP é uma maneira mais simples de se transferir dados. Nada garante que os dados cheguem ao seu destino. A maioria das aplicações "ao vivo", como chamadas telefônicas através da Internet (Skype) e jogos, usam UDP.
A ligação sofrerá um corte. No caso dos jogos o boneco irá "piscar" na tela, ao invés de andar. O UDP espera que a rede esteja com um mínimo de qualidade. Caso contrário os aplicativos que se baseiam nele irão ter um péssimo desempenho.
Por problemas de configurações ou limitações do roteador.
A potência do sinal influencia na qualidade da tramissão dos dados, quanto menor o sinal provavelmente haverá mais perda de pacotes, jitter elevado, entre outros problemas.
Criptografia é um mecânismo de seguraça e serve para dificultar, ou mesmo impossibilitar que outras pessoas tenham acesso a informações que trafegam do seu computador à seu Roteador Wi-Fi. Como os dados da rede Wi-Fi trafegam pelo ar, qualquer pessoa próxima a rede poderá interceptar estes dados, mas se estes estiverem criptografados serão ilegíveis.
Canal é a via em que os dados trafégam na rede, se duas redes Wi-Fi próximas estão no mesmo canal possivelmente haverá interferência causando problemas nas conexões.
1 - Descobrir o endereço IP de Gateway Padrão do seu roteador Wi-Fi
Para alterar o Canal da sua rede Wi-Fi, é necessário saber o endereço IP de Gateway Padrão do seu roteador Wi-Fi. Caso você não saiba o endereço IP do seu roteador, clique no Menu Iniciar, digite "cmd" para abrir o Prompt do Windows, em seguida digite "ipconfig" e tecle enter. Nos resultados que serão exibidos na tela, procure pela sua placa de rede e anote o endereço de seu Gateway Padrão.

2 - Acessar o painel de controle do roteador
Abra o navegador de Internet. Na barra de endereços, digite o IP recém encontrado.
Uma janela solicitando Nome de usuário e Senha será exibida. O padrão é "admin" para os dois campos. Caso você não consiga acessar, consulte o manual de instruções, ou busque informações no site do fornecedor do seu roteador.

3 - Alterar o Canal da rede Wi-fi
Procure a janela de configurações Wireless, e logo você vai localizar a opção para escolhas de canal Wi-Fi (Channel, em inglês). A maioria dos roteadores vem com o canal 6 como padrão, o que possivelmente pode causar interferências entre vizinhos muito próximos. Modifique o canal para o valor de sua preferência.

ATENÇÃO: não escolha o mesmo canal do telefone sem fio de sua casa, o que causará problemas no acesso a Internet.

Dúvidas Gerais
Navegador é um programa de computador que você usa para acessar a Internet. Um exemplo de navegador é o programa que você está usando neste momento (para acessar esta página) como o Internet Explorer, Firefox, Google Chrome ...
Roteadores são os equipamentos que permitem a interligação das redes, isto é, eles são os responsáveis pela comunicação entre redes distintas.
Neste caso, rede quer dizer "conjunto". Uma rede de computadores é um conjunto de computadores interligados. O termo LAN (usado inclusive em Lan House) denomina um tipo de rede local.
Se dentro de um ambiente você tem mais de uma opção para se conectar a Internet é indício que você está usando um roteador, por exemplo se você está conectado em uma rede sem fio (Wi-Fi), você está usando um roteador.
Redes sem fio são os exemplos mais comuns de utilização de roteadores. Caso você possua apenas um modem com acesso a Internet e deseja que várias pessoas consigam acessar a Internet simultaneamente através de outros computadores ou dispositivos, você precisará de um roteador.
Não. Inclusive se sua Internet apresenta-se "instável", sempre suspeite dele. Para permitir o compartilhamento entre as várias máquinas, é necessário alguns "cálculos", que influenciam diretamente a qualidade da sua Internet. Além disso, em roteadores sem fio, paredes e até outros roteadores podem fazer com que dados sejam corrompidos e perdidos.
IP é o endereço que identifica um computador conectado à Internet ou a alguma rede baseada em IP. Esta identificação pertence à sua operadora e lhe é fornecida sempre que o seu computador ou seu roteador se conectam. Todos na web possuem um IP, inclusive os servidores que fornecem as páginas de Internet.
Na Internet, você se comunica usando IP. O nome da página é automaticamente convertido em IP sem que você note. Você consegue acessar uma página APENAS com o IP porém é muito mais fácil recordar de um nome do que de um número como o IP. Além disto, uma página pode estar associada a diversos computadores por isso sempre digitamos o nome da página ao invés do IP.
Podemos dizer que Java é um programa de computador. Atualmente o Simet utiliza o Java para realizar os testes.
Para ativar o Java no seu Web browser siga os passos seguintes:

Internet Explorer
1 - Clique em Ferramentas e, em seguida, em Opções de Internet


2 - Selecione a guia Segurança e clique no botão Nível Personalizado


3 - Percorra a lista até Scripts de applets Java (ou Scripts de miniaplicativos Java)


4 - Verifique se o botão de opção Ativar está selecionado

5 - Clique em OK para salvar sua preferência

Chrome
1 - Clique no ícone no canto superior direito, em seguida, selecione Configurações.


2 - Selecione Mostrar Configurações avançadas...


3 - Na seção Privacidade, selecione Configurações de conteúdo...


4 - Selecione o link Desativar plug-ins individuais... para verificar se o Java está ativado


5 - Clique no link Ativar (se aparecer o link Desativar, o Java já está ativado)

Nota: como alternativa, é possível acessar as configurações dos Plug-ins digitando about:plugins no endereço do navegador.

Firefox
1 - Inicie o browser Mozilla Firefox ou reinicie-o, caso já esteja sendo executado

2 - Na parte superior do browser, selecione o botão Firefox (ou o menu Ferramentas no Windows XP) e, em seguida, Add-ons (ou Complementos). Será aberta a guia Gerenciador de Add-ons.


3 - Na guia Gerenciador de Add-ons, selecione Plug-ins


4 - Clique no plug-in Plataforma Java (TM) para selecioná-lo


5 - Clique no botão Ativar (se o botão exibir Desativar, o Java já está ativado)


Safari
1 - Acionar browser Safari

2 - Clique no Safari e selecione Preferências


3 - Clique na guia Segurança
>

4 - Marque a caixa de seleção Ativar Java


5 - Feche a janela Preferências do Safari

Opera 4.x e Posteriores
1. O Opera para Windows não utiliza o Java, mas uma versão já incorporada ao Web browser Opera.
2. O Opera para outras plataformas pode suportar Java. Consulte a documentação da plataforma Opera.
3. Para obter mais informações, consulte o seguinte artigo sobre Suporte do Opera (em inglês):
Support for Java software in Opera (Suporte para Software Java no Opera)

Abaixo estão os passos necessários para instalar o Oracle Java JDK/JRE no sistema operacional Ubuntu 32-bit e 64bit. Este procedimento também funciona para Debian e Linux Mint.

1 - Verificar se a arquitetura do sistema operacional Ubuntu é 32-bit ou 64-bit. Para isso, abra o terminal e execute o comando abaixo:
$ file /sbin/init

2 - Verifique se você já possui Java instalado no seu sistema. Para isso, execute o comando Java version no terminal:
$ java -version

Caso você possua a versão OpenJDK instalada no seu sistema, o resultado será parecido com isso:
java version "1.6.0_21"
OpenJDK Runtime Environment (IcedTea6 1.10pre) (6b21~pre1-0lucid1)
OpenJDK 64-Bit Server VM (build 19.0-b09, mixed mode)

Caso você possua a versão OpenJDK, você possui a versão errada do Java. Para removê-la, siga o etapa 3, caso contrário pule para a etapa 4.

3 - Remover completamente a versão OpenJDK/JRE do seu sistema, se necessário. Isso pode evitar possíveis conflitos de versões do Java. Para remover a versão OpenJDK/JRE instalada no seu sistema, execute o seguinde comando no terminal:
$ sudo apt-get purge openjdk-\*

Crie um novo diretório para armazenar os binários da nova versão do Java:
$ sudo mkdir -p /usr/local/java

4 - Baixe o Oracle Java JDK/JRE para Linux.

Certifique de baixar corretamente o arquivo comprimido compatível com a arquitetura do seu sistema 32-bit ou 64-bit (com o final tar.gz).


Atenção: Oracle Java 64-bit não funciona no Linux 32-bit, e você receberá multiplos error de sistema caso tente instalá-lo.

5 - Copie o arquivo baixado para o diretório /usr/local/java. Na maior parte dos casos, o download esta no diretorio /home/usuario/Downloads.

6 - Instruções de instalação do Oracle Java 32-bit no Ubuntu 32-bit:
$ cd /home/usuario/Downloads
$ sudo -s cp -r jdk-7u5-linux-i586.tar.gz /usr/local/java
$ sudo -s cp -r jre-7u5-linux-i586.tar.gz /usr/local/java
$ cd /usr/local/java

7 - Instruções de instalação do Oracle Java 64-bit no Ubuntu 64-bit:
$ cd /home/usuario/Downloads
$ sudo -s cp -r jdk-7u5-linux-x64.tar.gz /usr/local/java
$ sudo -s cp -r jre-7u5-linux-x64.tar.gz /usr/local/java
$ cd /usr/local/java

8 - Execute os seguintes comandos nos arquivos Java tar.gz que foram baixados. Certifique-se de estar com usuário root do sistema para refletir as mudanças para todos os usuários do computador.

9 - Instruções de instalação do Oracle Java 32-bit no Ubuntu 32-bit:
$ sudo -s chmod a+x jdk-7u5-linux-i586.tar.gz
$ sudo -s chmod a+x jre-7u5-linux-i586.tar.gz

10 - Instruções de instalação do Oracle Java 64-bit no Ubuntu 64-bit:
$ sudo -s chmod a+x jdk-7u5-linux-x64.tar.gz
$ sudo -s chmod a+x jre-7u5-linux-x64.tar.gz

11 - Descompactar os binários do Java no diretório /usr/local/java

12 - Instruções de instalação do Oracle Java 32-bit no Ubuntu 32-bit:
$ sudo -s tar xvzf jdk-7u5-linux-i586.tar.gz
$ sudo -s tar xvzf jre-7u5-linux-i586.tar.gz

13 - Instruções de instalação do Oracle Java 64-bit no Ubuntu 64-bit:
$ sudo -s tar xvzf jdk-7u5-linux-x64.tar.gz
$ sudo -s tar xvzf jre-7u5-linux-x64.tar.gz

14 - Cheque os seus diretórios. Neste ponto, você deverá ter 2 diretórios descompactados no /usr/local/java:
$ ls -a

jdk1.7.0_05
jre1.7.0_05

15 - Editar o arquivo /etc/profile e adicione as seguintes variáveis de sistema. Utilize nano ou gedit como editor de texto:
$ sudo nano /etc/profile

16 - Desça até o final do arquivo e adicione as seguintes linhas no final do arquivo:
JAVA_HOME=/usr/local/java/jdk1.7.0_05
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
JAVA_HOME=/usr/local/java/jre1.7.0_05
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
export JAVA_HOME
export PATH

17 - Salve o arquivo /etc/profile e saia do editor.

18 - Informe ao Ubuntu onde estão localizados o Oracle Java JDK/JRE. Isso irá dizer ao sistema que uma nova versão do Java está disponível para uso:
$ sudo update-alternatives --install "/usr/bin/java" "java" "/usr/local/java/jre1.7.0_05/bin/java" 1
$ sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javac" "javac" "/usr/local/java/jdk1.7.0_05/bin/javac" 1
$ sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javaws" "javaws" "/usr/local/java/jdk1.7.0_05/bin/javaws" 1

19 - Informe ao Ubunto que o Java JDK/JRE deve ser o default:
$ sudo update-alternatives --set java /usr/local/java/jre1.7.0_05/bin/java
$ sudo update-alternatives --set javac /usr/local/java/jdk1.7.0_05/bin/javac
$ sudo update-alternatives --set javaws /usr/local/java/jdk1.7.0_05/bin/javaws

20 - Recarregue o arquivo /etc/profile executando o seguinte comando:
$ ./etc/profile

21 - Para verificar se o java foi instalado corretamente no sistema, execute os seguintes comandos:

22 - Instalação com sucesso do Java 32-bit:
$ java -version

java version "1.7.0_05"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.7.0_05-b05)
Java HotSpot(TM) Server VM (build 23.1-b03, mixed mode)

$ javac -version


javac 1.7.0_05

23 - Instalação com sucesso do Java 64-bit:
$ java -version

java version "1.7.0_05"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.7.0_05-b20)
Java HotSpot(TM) 64-Bit Server VM (build 23.0-b21, mixed mode)



$ javac -version
javac 1.7.0_05

24 - Parabéns, você acabou de instalar Oracle Java no seu Ubuntu. Agora reinicie o computador. Após isso, seu sistema estará pronto para executar e desenvolver programas em Java.